7 DICAS PARA PROMOVER ECONOMIA EM CONDOMÍNIOS
Home / Administração e Gestão / 7 DICAS PARA PROMOVER ECONOMIA EM CONDOMÍNIOS
economia

7 DICAS PARA PROMOVER ECONOMIA EM CONDOMÍNIOS

FFS Gestão Condimial

Atualmente uma boa gestão dos condomínios, entre outros requisitos, também é medida pelo controle dos gastos, sem que haja comprometimento da qualidade dos serviços e economia e boa aplicação dos recursos.

Pois vamos deixar bem claro, a melhor contratação nem sempre é a do menor preço e sim da melhor solução do antes, durante e após a realização do serviço ou entrega do produto.

Muitos síndicos estudam formas e soluções que possam contribuir com as despesas, a CONDOMÍNIO EM ORDEM, sempre pensando na melhoria da gestão, compila algumas ações que podem ser realizadas, caso ainda não tenham sido, que visam contribuir com a diminuição dos gastos e melhoria nos investimentos no condomínio.

Vamos começar pela mão de obra, de pessoas que trabalham direta e indiretamente para o condomínio, pois elas possuem um grande percentual no total dos valores pagos no mês, e com certeza quanto melhor os resultados neste quesito, melhores os resultados e vamos elencar outros pontos que recomendamos atenção especial.

1) MÃO DE OBRA

Gerencie as horas extras, e se as mesmas estão em uma situação ascendente, representa que vale um estudo para verificação se a contratação não será uma solução mais econômica.

Defina quem são seus braços direitos, e que os trabalhos representam um ótimo investimento, e proporcione situações onde você possa retê-los, aos funcionários que estão abaixo do desempenho esperado, tenha uma conversa direta, e em um local reservado, passando os feedback necessários para que ele possa melhorar, caso não tenha solução, após avisos, a troca é inevitável, em prol da economia em resultados melhores pelo mesmo investimento. Também recomendamos atenção nas escalas de trabalho, pois sabemos que esta também pode ser uma maneira de diminuir as horas extras.

 

2) CONCESSIONARIAS

Os consumos de energia elétrica e água costumam ser os vilões da conta de condomínio, por isto minimizar desperdícios e melhorar a eficiência dos sistemas, podem contribuir na diminuição das despesas, mas não use receitas milagrosas, e textos prontos de internet, contrate um profissional e busque no mercado empresas especializadas, que tem seus rendimentos atrelados a resultados, por exemplo, as vezes uma troca de lâmpada, que muitos falam que é o pulo do gato, pode custar mais caro, pois algumas delas são mais sensitivas ao liga e desliga e a história de garantia de 20 anos, na prática nem sempre é tão fácil de obter os ressarcimentos.

Conte com assessoria técnica para suas decisões, assim como você já faz com assessoria jurídica para assuntos daquela disciplina.

 

3) PLANEJAMENTO

Efetue planejamentos das manutenções, o famoso plano de manutenção da ABNT NBR 5674, com ele os valores a serem investidos, são rateados em um tempo correto e as ações preventivas, diminuem os gastos com concertos fazendo com que seu condomínio tem um aspecto de zelo e não de consertos constantes.

Quando efetuar qualquer reforma, busque alternativas que possam representar um menor investimento, não somente no momento da contratação e sim durante toda a vida útil de um sistema, por exemplo uma pintura de edifício, onde não sejam usados materiais, mão de obra especializada, atendimento aos requisitos de segurança, podem ocasionar gastos muito maiores do que se tivessem sido analisadas todas os requisitos técnicos na contratação, como por exemplo também o uso de cores que beneficiam na diminuição de luz indireta.

Cuidado com as ações imediatistas e de interesse que não seja do coletivo, saiba o momento mais adequado e priorize a organização das verbas do condomínio, identifique os gastos essenciais com o foco em economia e se necessário faça uso da poupança a uma chamada de capital, com o compromisso de após o orçamento organizado o dinheiro do fundo de reserva, poderá ser devolvido com a correção original, com um custo financeiro menor.

 

4) CONSCIENTIZAÇÃO

Mantenha canais de comunicação com os moradores e fomente ações que podem diminuir gastos, como por exemplo uso correto de torneiras, piscinas, instalações elétricas, elevadores, evitar serviços pessoais realizados por empregados do condomínio, são ações que uma campanha interna tendem a melhorar a conscientização de todos e diminuir os desperdícios e gastos indevidos. Fomente a importância da participação nas decisões dos condomínios, e se necessário implante ferramentas em aplicativos que possam coletar informações e participações remotas em reuniões.

 

5) MELHORIA DOS PROCESSOS

Algumas medidas simples, como o controle no horário de cobrir a piscina, mudar o modo de molhar as plantas para sistemas de regador automático, são alguns exemplos que tecnicamente já são comprovados, que em um prazo de tempo razoável, representa uma economia definitiva aos condomínios.

O reuso de água de chuva, demanda muita atenção pois possui normas e leis para o processo, mas é uma maneira muito eficiente de diminuir gastos com aguas que não necessitam ser potáveis no condomínio, como por exemplo rega.

Aonde for possível o uso de vassouras, ou sistemas de soprador, ao invés do consumo de água pode representar enormes economias no final do mês.

 

6) CORREÇÃO DE FALHAS

Ações como uma caça a vazamentos de forma periódica, contribuem em várias frentes, seja pois quando os problemas são identificados no começo das falhas os mesmos sejam mais baratos para consertarem, pois não é necessário ser um engenheiro, com especialização, para saber quando há uma pequena infiltração, ou vazamento de torneira, ou um disjuntor que desarma constantemente, ações tomadas assim que as falhas ocorram diminuem drasticamente os gastos com correções caras, por decorrência de demora na tomada de ações.

Outra boa dica, é a solução de falhas de forma definitiva, pois não é incomum encontrar em condomínios, ações paliativas que na verdade aumentam o problema e fazem com que a correção seja muito mais cara, por exemplo a colocação de telhas no subsolo, sob pontos com infiltração, isto em um português simples, é uma “BOMBA”, para a estrutura do edifício.

Ao invés de insistir sempre nos mesmos consertos, busque alternativas efetivas para o problema. Não adianta, por exemplo, pintar a coluna da garagem todo mês se os carros voltam a danificar a estrutura. O melhor nesse caso é instalar um protetor de para choque.

 

7) FISCALIZAÇÃO

Cabe ao sindico fiscalizar de perto os trabalhos dos seus funcionários, terceirizados e prestadores de serviço, assim como o comportamento dos moradores. Exija que todos usem os produtos e serviços do condomínio de forma consciente, para os funcionários coloque metas semanais para economizar. Identifique moradores que não ajudam e, se previsto em regimento, aplique as advertências e multas necessárias. Não seja conivente.

 

 

 

 

 

Comentários do Facebook
FFS Gestão Condimial

About Ronaldo Sá Oliveira

Ronaldo Sá Oliveira
Diretor da RSO ASSESSORIA, especialista em normalização atuando em mais de uma centena de comissões técnicas nos últimos anos, dentre as quais ABNT NBR 14037 – norma de manuais de entrega; ABNT NBR 5674 – norma de gestão da manutenção; ABNT 16280 – norma de reforma (autor do texto base); ABNT NBR 15575 – norma de desempenho etc. Prestador de assessoramento técnico, laudos, pareceres a condomínios e gestão de reformas É assessor técnico de grandes entidades do setor imobiliário, construção e projetos, coordenador técnico de diversos manuais técnicos do setor e colunista de diversos canais voltados a construção e gestão de empreendimentos. whatsapp 11 99578-2550 ronaldo@rsoassessoria.com.br

Check Also

síndico profissional

SÍNDICO PROFISSIONAL, UMA TENDÊNCIA SEM VOLTA

SÍNDICO PROFISSIONAL E SEU ESPAÇO A função de síndico profissional nasceu com o envelhecimento dos …

RSO Assessoria
Atitude do Brasil