ROTAS DE FUGA DE EDIFÍCIOS MANTENHA A SUA EM ORDEM
Home / Gestão da Manutenção / Segurança / ROTAS DE FUGA DE EDIFÍCIOS
rota de fuga

ROTAS DE FUGA DE EDIFÍCIOS

rota de fuga é o trajeto a ser seguido no caso de necessidade urgente de evacuação de um local em função de incêndio, desabamentos ou outros casos de emergência. Para que todos os trabalhadores ou visitantes de um determinado local se sintam seguros em casos de emergência, é importante conhecer a rota de fuga. Saber o caminho a seguir em momentos críticos facilita a saída e o salvamento de todos.

Saída de emergência, rota de saída ou saída, conforme ABNT NBR 9077 é o caminho contínuo, devidamente protegido, proporcionado por portas, corredores, halls, passagens externas, balcões, vestíbulos, escadas, rampas ou outros dispositivos de saída ou combinações destes, a ser percorrido pelo usuário, em caso de um incêndio, de qualquer ponto da edificação até atingir a via pública ou espaço aberto, protegido do incêndio, em comunicação com o logradouro.

O sistema de rotas de fuga, as quais garantem a segurança e agilidade de evacuação do edifício, no caso de incêndio; desabamentos; outros casos fortuitos, contemplam o encaminhamento para área segura, iluminação de emergência, portas corta fogo e sinalização indicativa, onde na falta de indicadores de rotas de evacuação poderá ocasionar situações de pânico em emergências, onde o fator tranquilidade é preponderante para a prevenção de acidentes graves.

O planejamento da rota de fuga deverá seguir as diretrizes da Portaria Ministerial (MTb) NR-23 ; ABNT NBR 9077, ABNT NBR 13434, Código Estadual de Prevenção de Incêndios e outras que venham a facilitar a saída dos indivíduos dos locais atingidos.

Mas nosso objetivo, aqui é falar sobre situações onde observamos problemas, obstrução ou impedimentos de uso destes sistemas, onde o sindico deverá constantemente analisar e tomar providencias urgentes, quando se deparar com qualquer das situações que elencaremos adiante, sob o risco de responder criminalmente no caso de uma tragédia.

PORTAS CORTA FOGO:

  • Fechamento ou obstrução de saídas das portas ou das rotas de emergência por matérias de qualquer tipo de obra (manutenção ou reforma), mesmo que dito como momentâneo;
  • Em hipótese alguma, as portas de emergência deverão ser fechadas pelo lado externo, mesmo fora do horário de trabalho. As únicas portas corta-fogo que devem ser mantidas trancadas são as que guardam as bombas e geradores do condomínio, evitando o acesso de crianças e outras pessoas, que não os funcionários, ao local.
  • Nenhuma porta de entrada, ou saída, ou de emergência de um estabelecimento ou local de trabalho, deverá ser fechada a chave, aferrolhada ou presa;
  • Todas as portas, tanto as de saída como as de comunicações internas, devem abrir no sentido da saída; situar-se de tal modo que, ao se abrirem, não impeçam as vias de passagem;
  • As portas de saída devem ser dispostas de maneira a serem visíveis, ficando terminantemente proibido qualquer obstáculo, mesmo ocasional, que entrave o seu acesso ou a sua vista.
  • Uso de calço para manter a porta aberta, o qual na verdade inutiliza a função da porta de barrar o incêndio na edificação.

 

ESCADAS:

  • Todas as escadas, plataformas e patamares deverão ser feitos com materiais incombustíveis e resistentes ao fogo.
  • As escadas de incêndio muitas vezes são usadas pelos moradores para abrigar cestos maiores de lixo, bicicletas, carrinhos de bebê. Isso é errado e desaconselhado pelo corpo de bombeiros, já que, em um momento de pânico os objetos irão atrapalhar a passagem.
  • As escadas necessitam possuir corrimão contínuo, com altura em conformidade com legislação e não possuir ponta viva, ou seja, ao termino do corrimão o mesmo deverá possuir uma curva e adentrar a parede.

 

ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA:

  • As rotas de fuga devem ter iluminação natural e/ou artificial em nível suficiente, de acordo com a ABNT NBR 5413.
  • A iluminação de emergência possui normalização ABNT NBR 10898, e não é incomum encontrar luminárias que não atendem a esta norma sendo comercializada, as mesmas podem gerar fumaça, ofuscamento e trazer riscos no momento de emergência, ou seja verifique se seu sistema é aderente e se necessário ajuste.
  • Sinalização fotoluminescente que são os adesivos que brilham no escuro apontando a rota de fuga correta, número dos andares, a saída e o acesso ao térreo

 

 

Comentários do Facebook

About Ronaldo Sá Oliveira

Ronaldo Sá Oliveira
Diretor da RSO ASSESSORIA, especialista em normalização atuando em mais de uma centena de comissões técnicas nos últimos anos, dentre as quais ABNT NBR 14037 – norma de manuais de entrega; ABNT NBR 5674 – norma de gestão da manutenção; ABNT 16280 – norma de reforma (autor do texto base); ABNT NBR 15575 – norma de desempenho etc. Prestador de assessoramento técnico, laudos, pareceres a condomínios e gestão de reformas É assessor técnico de grandes entidades do setor imobiliário, construção e projetos, coordenador técnico de diversos manuais técnicos do setor e colunista de diversos canais voltados a construção e gestão de empreendimentos. whatsapp 11 99578-2550 ronaldo@rsoassessoria.com.br

Check Also

prevenção

PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO EM CONDOMÍNIO É RESPONSABILIDADE DO SÍNDICO

Na madrugada do dia 14 de junho de 2017, um incêndio atingiu um prédio de …

Atitude do Brasil
Condominio em Ordem