EXTINTOR DE INCÊNDIO O QUE VOCÊ PRECISA SABER
Home / Administração e Gestão / Administração / EXTINTOR DE INCÊNDIO O QUE VOCÊ PRECISA SABER
extintor

EXTINTOR DE INCÊNDIO O QUE VOCÊ PRECISA SABER

FFS Gestão Condimial

O extintor portátil é um aparelho manual, constituído de recipiente e acessório, contendo o agente extintor, destinado a combater princípios de incêndio. Já o extintor sobre rodas (carreta) também é constituído em um único recipiente com agente extintor para extinção do fogo, porém com capacidade de agente extintor em maior quantidade.

TIPOS DE EXTINTOR

Sabendo os tipos de naturezas do fogo que podem causar o incêndio, agora conseguimos classificar os extintores de acordo com sua indicação e agente extintor.

AgenteIndicação
ÁguaPara incêndios de classe A. Age por resfriamento e nunca dever deve ser usado em incêndios de classes B e C.
Gás CarbônicoPara incêndios de classe B e C. Age por abafamento, extinguindo o oxigênio e causando resfriamento dos materiais.
Pó Químico B/CPara incêndios de classe B e C. Extingue o fogo por meio de reações químicas.
Pó Químico A/B/CPara incêndios e classe A, B e C. Extingue o fogo por meio de reações químicas e abafamento. Pode ser usado para contenção de praticamente qualquer natureza.
Espuma mecânicaPara incêndio de classe A e B. Age por resfriamento e abafamento e nunca deve ser usado em fogo de natureza classe C.

As previsões desses equipamentos nas edificações decorrem da necessidade de se efetuar o combate ao incêndio imediato, enquanto são pequenos focos. Esses equipamentos primam pela facilidade de manuseio, de forma a serem utilizados por homens e mulheres, contando unicamente com um treinamento básico.

Além disso, os preparativos necessários para o seu manuseio não consomem um tempo significativo e, consequentemente, não inviabilizam sua eficácia em função do crescimento do incêndio.

Para a manutenção dos extintores, devem ser atendidas na sua plenitude, as Normas Técnicas Brasileiras ABNT NBR 12962, ABNT NBR 13485, ABNT NBR 15808 e demais normas aplicáveis em suas últimas versões publicadas e aprovadas, a regulamentação obrigatória por certificação compulsória estabelecida pelo INMETRO – Instituto Nacional de Metrologia Normalização e Qualidade Industrial, e demais legislações em âmbito Federal, Estadual e Municipal.

TIPOS DE INCÊNDIO

Antes de mais nada, é preciso saber o que pode desencadear um princípio de incêndio. Cada extintor tem propriedades específicas e serve para naturezas de fogo particulares. A categorização é feita por classes:

ClasseNatureza do fogo
AFogo originado de materiais combustíveis sólidos como papel, madeira, plásticos termoestáveis, tecidos, borrachas e fibras orgânicas.
BCausado pela combustão de líquidos e/ou gás inflamáveis, graxas e plásticos que queimam em sua superfície sem deixar resíduos.
CQueima de instalações elétricas energizadas, como quadros de força, transformadores, fiações etc.
DCausado por metais combustíveis, como magnésio, potássio, lítio, sódio e zircônio.

LOCALIZAÇÃO DOS EXTINTORES

Os extintores podem ser localizados interna ou externamente à área de risco a proteger e para a instalação dos extintores devem ser observadas as seguintes exigências:

  • Quando forem fixados em paredes ou colunas, utilize os suportes fornecidos com o extintor e verifique a firme fixação dos mesmos.
  • Para extintores portáteis fixados em parede, devem ser observadas as seguintes exigências do Corpo de Bombeiros (os padrões do Corpo de Bombeiros podem variar de um estado para outro. Na ausência destas especificações, recomendamos as seguintes alturas de montagem):
    • o A posição da alça de manuseio não deve exceder a 1,60 m do piso.
    • o A parte inferior deve guardar distância de no mínimo 0,20 m do piso acabado: esta é a posição mais segura, pois diminuirá o risco de acidentes em caso de queda do aparelho.
  • O extintor não deve ser instalado nas paredes das escadas.
  • Os extintores portáteis não devem ficar em contato direto com o piso.
  • O extintor deve ser instalado de maneira que:
    • Seu acesso não possa ser bloqueado.
    • Possa ser visto com facilidade pelos usuários para que se familiarizem com a sua localização.
    • Fique protegido contra intempéries e possíveis danos físicos; se necessário, no interior de abrigos de fácil abertura.
    • Quando encoberto tenha sua posição devidamente sinalizada, posicionando-se o mais próximo possível dos riscos, junto aos acessos.
    • Seja fácil sua remoção do suporte.
    • Haja menor probabilidade de o fogo bloquear o seu acesso

Sempre se atente ao uso do extintor adequado e mais próximo ao incêndio, observando a instruções de uso dos extintores e as instruções específicas encontram-se no quadro de instrução de cada modelo.

MANUSEIO 

TIPO DE EXTINTORMANUSEIO 
Extintor com carga de pó

 

  1. Puxe a trava rompendo o lacre
  2. Mantenha o extintor na posição vertical (com a válvula para cima).
  3. Aponte a mangueira para a base do fogo e acione o gatilho até o fim, distribuindo o pó em movimentos laterais rápidos.

Obs.: No início do combate há uma tendência de aumento das chamas devido ao ar arrastado pelo jato do pó, continue pressionando o gatilho e distribuindo rapidamente o jato á base do fogo até o final da carga.

Extintor com carga d´água

 

  1. Puxe a trava rompendo o lacre
  2. Mantenha o extintor na posição vertical (com a válvula para cima).
  3. Aponte a mangueira para a base do fogo e acione o gatilho até o fim. Distribua o jato de forma o cobrir toda a superfície do material em chamas.

 

Extintor com carga de CO2

 

  1. Puxe a trava rompendo o lacre
  2. Mantenha o extintor na posição vertical (com a válvula para cima).
  3. Classe B: dirija o jato em direção à base do fogo com movimentos de varredura horizontais. Classe C: Dirija o jato sobre as chamas, persistindo para que se forme névoa carbônica.

IMPORTANTE:

  • Não há recarga parcial, portanto não economize carga. Utilize-a totalmente para certificar-se da
  • extinção total do incêndio.
  • Não teste o extintor, pois mesmo pequenas descargas podem comprometer futuras operações e
  • levar a perda de pressão.
  • Mantenha o extintor fora de alcance de crianças.
  • Não descarregue o extintor sobre pessoas ou animais.

PRESERVAÇÃO

  1. Mantenha o extintor limpo e bem conservado.
  2. Mantenha o extintor, sempre que possível, ao abrigo de intempéries.
  3. Não perfure ou incinere o recipiente/cilindro: conteúdo sob pressão, risco de acidentes graves.
  4. Não acione o gatilho do extintor desnecessariamente, apenas na presença do fogo.
  5. Verifique se o ponteiro do indicador de pressão encontra-se dentro da faixa de operação, caso esteja abaixo o extintor não funcionará adequadamente.
  6. Verifique se o orifício de saída (descarga) está desobstruído.
  7. Leia atentamente o quadro de instruções do extintor.
  8. Caso o extintor apresente as seguintes características, encaminhe-o à uma vistoria:
    1. corrosão;
    2. danos mecânicos / amassados resultantes de batidas;
    3. danos térmicos / marcas de arco voltaico.
  9. A manutenção deve ser executada somente por empresas certificadas por organismos credenciados pelo INMETRO.
  10. Utilize somente componentes com as mesmas características dos componentes originais descritos nesse manual.
  11. A manutenção deve ser realizada rigorosamente de acordo com as respectivas Normas Técnicas aplicáveis.
  12. Não utilize thinner ou solventes para a limpar o extintor ou seus componentes.

MANUTENÇÃO

Os prazos de manutenção, recarga e ensaio hidrostático previsto pelas respectivas normas técnicas brasileiras devem ser respeitados, porém caso os extintores estejam sujeitos a condições adversas, intempéries e/ou condições agressivas, esses prazos deverão ser reduzidos, sendo mais frequentes quanto mais agressivo/adverso for o ambiente no qual o equipamento esteja instalado.

Configura-se como condição adversa, a ação isolada ou combinada de: mudanças bruscas de temperatura, choques térmicos, umidade do ar elevada (superior à 95%) , exposição a agentes químicos, vibrações e exposição prolongada a temperaturas extremas: abaixo de –10°C e acima de 50°C, para extintor de pó; abaixo de 4°C e acima de 45°C, para extintor de água; e abaixo de 0°C e acima de 45°C, para extintores de gás carbônico.

Estas informações devem constar do plano de manutenção do edifico, em acordo com a ABNT NBR 5674.

INSPEÇÃO

Consiste em uma verificação cuidadosa do extintor, executada por pessoa habilitada, através de exame visual e periódico, de modo a observar se está acessível e se o mesmo apresenta um nível adequado de confiança de que permanece em condições originais de operação. Seu objetivo é assegurar que o extintor está totalmente carregado e operável.

Durante a inspeção, devem ser verificados no mínimo os seguintes itens:

  • Se o extintor não foi acionado, violado ou adulterado.
  • Se não há dano físico visível que impeça seu funcionamento.
  • Se o extintor está limpo e bem conservado.
  • Se o ponteiro do indicador de pressão está dentro da faixa de operação.
  • Se o lacre de inviolabilidade está intacto.
  • Se o orifício de saída está desobstruído.
  • Se a mangueira encontra-se sem rachaduras, trincas e/ou estrangulamentos que impeçam a passagem do agente extintor. Se suas empatações estão perfeitas, e se internamente sua “luz” está completamente livre de corpos estranhos.
  •  Se o recipiente/cilindro não apresenta vestígios de corrosão, batida ou amassamento de qualquer natureza.
  • Se o quadro de instruções está legível e íntegro.
  • Se a validade da carga e da garantia está dentro do prazo.
  • Se a data de validade do ensaio hidrostático está dentro do prazo.

Para extintores de alta pressão verifique ainda:

  • Esguicho-difusor: ausência de deformidades e corpos estranhos em seu interior, se sua rosca é metálica e está perfeita e limpa, se o punho está perfeito e devidamente fixado, recobrindo a conexão metálica da mangueira.
  • A presença do dispositivo anti-recuo (quebra-jato), e se está em perfeito estado.

Caso o extintor se apresente com alguma irregularidade com base nos dados acima deve ser submetido à manutenção.

RECARGA

A responsabilidade sobre as condições dos extintores é, por lei, do síndico. Por isso, coloque a verificação de todos os equipamentos contra incêndio em sua rotina anual. As frequências de inspeção são:

  • 6 meses para extintores com carga de CO2.
  • 12 meses para os demais extintores.
  • Para extintores sujeitos a intempéries e/ou condições especialmente agressivas, recomenda-se maior frequência de inspeção.
Comentários do Facebook
RSO Assessoria
Atitude do Brasil

About Ronaldo Sá Oliveira

Ronaldo Sá Oliveira
Diretor da RSO ASSESSORIA, especialista em normalização atuando em mais de uma centena de comissões técnicas nos últimos anos, dentre as quais ABNT NBR 14037 – norma de manuais de entrega; ABNT NBR 5674 – norma de gestão da manutenção; ABNT 16280 – norma de reforma (autor do texto base); ABNT NBR 15575 – norma de desempenho etc. Prestador de assessoramento técnico, laudos, pareceres a condomínios e gestão de reformas É assessor técnico de grandes entidades do setor imobiliário, construção e projetos, coordenador técnico de diversos manuais técnicos do setor e colunista de diversos canais voltados a construção e gestão de empreendimentos. whatsapp 11 99578-2550 ronaldo@rsoassessoria.com.br

Check Also

TRAGÉDIAS EM CONDOMÍNIOS

TRAGÉDIAS EM CONDOMÍNIOS, NÃO SÃO POR FALTA DE NORMAS

O FATO SE REPETE Mais uma tragédia ocorre no Brasil, envolvendo edifício residencial, desta vez …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

RSO Assessoria
Atitude do Brasil