INSPEÇÃO DE PÁRA-RAIO (SPDA)

SPDA

O SPDA, Sistemas de proteção contra descargas atmosféricas necessidade das inspeções rotineiras, todos já sabem, mas a CONDOMÍNIO EM ORDEM, tem uma pergunta para  você gestor de condomínio,

Você sabe quando e o deve constar no documento técnico, para ter certeza que seu sistema está em dia, e o edifício em segurança?

A inspeção dos Sistemas de Proteção contra Descargas Atmosféricas visa assegurar que o SPDA ainda se encontre conforme foi projetado. Desta forma a primeira providência do responsável pela edificação deve ser possuir a cópia do projeto original, para que o profissional que fizer a inspeção verifique se o que está instalado corresponde ao que foi projetado e havendo alguma divergência, qual a sua razão e se esta alteração deve ser mantida ou retirada. Com isto dito, já começamos a desmistificar o assunto, pois o termo correto, é relatório técnico e não laudo.  Entenda um pouco as diferenças em nosso artigo VISTORIA? RELATÓRIO TÉCNICO? PERÍCIA? LAUDO? INSPEÇÃO? CUIDADO COM A “SOPA DE TERMOS”

Mas caso você ainda não está familiarizado a este sistema possua dúvida sobre o que compõe o sistema e queira entender um pouco mais recomendamos acessar o artigo CONHEÇA SEU SISTEMA DE PÁRA RAIOS E AÇÕES PARA PERFEITO FUNCIONAMENTO.

Agora que todos estão alinhados, vamos iniciar descrever sobre o relatório técnico de inspeção do sistemas, começando com um exemplo simples onde em um prédio, ao pinta-lo, consertar um vazamento ou substituir uma telha quebrada, não precisamos atualizar o SPDA. Mas ao instalarmos uma antena coletiva, aumentar a caixa d’agua, ou modificarmos a guarita, será necessário revisar o SPDA para incluir os novos elementos da edificação, e esta revisão deve ser feita com base na nova norma já que a antiga não está mais válida. Por isso é fundamental possuir o projeto original, para sabermos em que ano ele foi feito e qual a versão da norma válida naquele momento.
A nova norma descreve inclusive sobre a manutenção, inspeção e documentação do SPDA, deixando claro que a eficácia do SPDA depende da sua instalação, manutenção e dos ensaios realizados ao longo de sua vida útil.

Os objetivos das inspeções são assegurar que:

  • O SDPA esteja de acordo com um projeto baseado nesta norma (No caso a edição válida quando o projeto foi aprovado);
  • Todos os componentes do SPDA estejam em boas condições e sejam capazes de cumprir suas funções, não apresentando corrosão e atendendo às suas respectivas normas de produto²;
  • Qualquer nova construção ou reforma que altere as condições iniciais previstas no projeto do SPDA, além de novas tubulações metálicas, linhas de energia e sinal que adentrem a estrutura e que estejam incorporadas ao SPDA externo³ e interno4 se enquadrem nesta norma.

As inspeções devem ser realizadas de acordo com a norma nos seguintes momentos:

  • Já durante a construção da estrutura, após a instalação do SPDA, no momento da emissão do documento “as built”, após alterações ou reparos, ou quando houver suspeita de que a estrutura foi atingida por uma descarga atmosférica;
  • Inspeções visuais semestrais, realizadas pelo próprio pessoal do condomínio, apontando eventuais pontos deteriorados no sistema;
  • Periodicamente, realizada por profissional habilitado e capacitado a exercer esta atividade, com emissão de documentação pertinente, em intervalos determinados, assim relacionados

1 ano, para estruturas contendo munição ou explosivos, ou em locais expostos à corrosão atmosférica severa (regiões litorâneas, ambientes industriais com atmosfera agressiva etc.), ou ainda estruturas pertencentes a fornecedores de serviços considerados essenciais (energia, água, sinais etc.);

3 anos  para as demais estruturas.

A regularidade das inspeções é fundamental para a confiabilidade de um SPDA, onde o responsável pela edificação deve ser informado de todas as irregularidades observadas por meio de relatório técnico emitido após cada inspeção periódica.

Cabe ao profissional que emitir a documentação recomendar, baseado no que for observado, o prazo para a manutenção no sistema, que pode variar desde uma correção que deve ser feita imediatamente até uma correção que deva ser feita de forma preventiva para evitar problemas futuros.

Para a sequência de inspeções e devido a questões legais deve ser mantida no local, ou em poder dos responsáveis pela manutenção do SPDA a seguinte documentação:

  • A verificação da necessidade da existência do SPDA (externo e interno), além da seleção do respectivo nível de proteção para a estrutura, por meio de um relatório de uma análise de risco;
  • Os desenhos em escala mostrando as dimensões, os materiais e as posições de todos os componentes do SPDA externo e interno;
  • quando for aplicável, por questões técnicas, os dados sobre a natureza e a resistividade do solo, constando detalhes relativos à estratificação do solo, ou seja, o número de camadas, a espessura e o valor da resistividade de cada uma;
  • O registro de ensaios realizados no eletrodo de aterramento e outras medidas tomadas em relação a prevenção contra as tensões de toque e passo. Verificação da integridade física do eletrodo (continuidade elétrica dos condutores) e se o emprego de medidas adicionais no local foi necessário para mitigar tais fenômenos (acréscimo de materiais isolantes, afastamento do local etc.), descrevendo-o.

Infelizmente muitas pessoas acreditam que um SPDA é apenas um “enfeite” e como sua edificação nunca foi atingida por um raio, ela nunca será. Quem trabalha com descargas atmosféricas sabe dos perigos de um raio cair em uma edificação desprotegida, por não ter um SDPA ou por ele estar em desacordo com a norma. Qualquer investimento na instalação, adequação ou manutenção do SPDA será muito menor do que os prejuízos causados por uma descarga atmosférica atingindo uma edificação, incluindo a morte de uma pessoa. Para que estes prejuízos não aconteçam é fundamental observar os pontos a seguir.

  • A inspeção do SPDA deve ser feita por profissional qualificado e com experiência neste assunto;
  • Um SPDA pode estar aparentemente em perfeitas condições, mas se um dos seus componentes estiver comprometido, toda a edificação pode estar vulnerável a uma descarga atmosférica;
  • Não é necessário adequar o SPDA a cada nova edição da norma ABNT NBR 5419. As inspeções devem ser realizadas com base na edição da norma válida quando o projeto foi aprovado.

Após tudo isto, se ainda gostaria de saber mais para manter seu sistema em ordem, leia nosso artigo 7 DICAS PARA MANTER SEU PARA-RAIOS EM ORDEM

 

Foto: japaraios

Comentários do Facebook
RSO Assessoria
Sergio R. Santos
Sobre Sergio R. Santos 3 Artigos
Engenheiro Eletricista, Instrutor do curso sobre as Medidas de Proteção contra Surtos (MPS) realizado pela em empresa em conjunto com o curso sobre os Sistemas de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA). Diretor da LAMBDA CONSULTORIA Rua São Marcos, 325 – Salto – SP Fones 11-4456-3609/ 11-99688-1148 (Vivo) ou pelo e-mail: comercial@lambdaconsultoria.com.br