ACÚSTICA NOS CONDOMÍNIOS E PRINCIPAIS PROBLEMAS

acústica

A acústica a muitos anos traz conflitos nos condomínios por conta de problemas de como atenuar o ruído causado pelo impacto, principalmente pelo caminhar de pessoas com saltos de couro, masculino ou feminino.

O problema é mundial, em alguns países foi resolvido com mudanças culturais, outros por regras mais rígidas.

Mas no Brasil, para quem não convive diretamente com o mercado imobiliário, sempre comenta, por que os edifícios antigos não tinham tantos problemas como ou mais novos?

A resposta é simples, a engenharia evoluiu, mas esqueceu de analisar todos os sistemas em conjunto, pois estruturas mais esbeltas, possuem menor atenuação acústica. Isto irá mudar, com a entrada em vigor a alguns anos, da norma de ABNT NBR 15575, norma de desempenho, que obriga a análise de diversos sistemas, inclusive acústico.

Mas quanto ao passivo dos edifícios, “seminovos”, ou seja, aqueles que foram construídos, sem a preocupação acústica e que não são da época de estruturas com melhor desempenho de atenuação, bom desta vez a resposta não e tão simples e genérica, pois demanda aplicação de soluções acústicas e mudanças culturais entre os ocupantes do edifício, para que possam viver em paz.

Alguns pontos críticos de um edifício:

  1. Sala de Ginástica, salão de festas e assemelhados.

Nas Salas de Ginásticas, ou instalações assemelhadas, não importa ao indivíduo incomodado pelo ruído emergente em seu quarto se está em conformidade com alguma norma, o que deve ser resolvido afinal é o conforto do receptor. Neste caso o valor máximo aceitável de 35dB indicado pela ABNT NBR10.152, para um indivíduo de sensibilidade auditiva normal, o mesmo será audível caso algum aficionado condomínio resolver fazer ginástica após as 21horas desde que nesse horário o ruído residual esteja igual ou menor do que 25Db.

Não faltam técnicas ou sistemas construtivos  específicos  de isolação de ruído aéreo ou de vibração no mercado brasileiro, o que houve nos caso do edifícios “seminovos” foi uma falta de planejamento, alinhada as demandas financeiras, além dos aspectos de satisfação do cliente, pois o custo da construção ao lançar, onde o incorporador, muitas vezes se tivesse investido um pouco mais, poderia inviabilizar a venda, pois o seu empreendimento teria um custo maior que os concorrentes, esta é uma triste realidade.

Nestes casos, será necessária uma mudança cultural, e de regras de uso do espaço  ou contar com a engenharia para resolver, cancelando a ligação solida das bordas da laje de piso da Sala de Ginástica com a estrutura de concreto do Edifício (existem diversas maneiras), aplicar um piso flutuante, e respectivo acabamento superficial abafador do ruído aéreo resultante do impacto dentro da Sala, o qual venha a atenuar o impacto direto sobre a laje estrutural, planejar uma parede apoiada em lâmina de borracha na base, seja a mesma leve ou pesada.

Estes itens são destinados a impedir a transmissão de flanco para as paredes e estrutura do ambiente acima da Sala de Ginástica, assim como planejamento de metodologia atenuadora em paredes, reverberação, dimensões das salas, sua geometria e equipamentos que a compõem, todos os requisitos necessitam de um projeto especifico e estudo de solução por um profissional habilitado, ou seja, não estamos passando receita de bolo e sim ideias de soluções que já são aplicadas, mas que podem não servir a seu empreendimento.

  1. Atenuação entre unidades

Tecnicamente, há algumas soluções apesar que o custo muitas vezes inviabiliza a contratação, onde as mudanças culturais, tem sido a maneira mais econômica para diminuição dos conflitos, mesmo que tenha que se valer de leis, seja na convenção e/ou o regulamento interno, onde caso sejam omissos a esse assunto, os mesmos são regidos por leis especificas.

Por exemplo, o limite para o nível de ruído em geral provocado por uma unidade, mesmo durante o dia, é descrito no Código Civil: “Art. 1.336. São deveres do condômino: (…)IV – dar às suas partes a mesma destinação que tem a edificação, e não as utilizar de maneira prejudicial ao sossego, salubridade e segurança dos possuidores, ou aos bons costumes.”

Também a Lei federal nº3.688 de 23 de outubro de 1941 determina, em seu capítulo IV que não se pode perturbar o sossego alheio ou o trabalho.

 

  1. Ruídos externos ao condomínio, que impactam as unidades

Apesar de existir leis federais que garantem o direito ao sossego, nenhuma rege o silêncio de forma detalhada. Ficando a cargo dos municípios estabelecerem regras a esse respeito, cidades como São Paulo, belo horizonte, fortaleza, entre diversas outras possuem Leis do Silêncio.

Os parâmetros e modo de medição deverão respeitar as legislações especificas, de a maneira correta são ações aos infratores, baseadas nestes documentos, leis regionais e normas que são nacionais.

Como dito o assunto é regido por normas, leis e seus parâmetros e modo de medição são normalizados, portanto, não vale nada a medição com aplicativos de Smartphone, sendo necessária a contratação de um profissional habilitado para realização de ensaios e medições, para evidenciar os desrespeitos aos limites normalizados e legais.

Negligencias na acústica

Outro ponto, extremamente negligenciado, é o impacto que as reformas das unidades fazem no desempenho acústico, pois retirada de paredes, danificação de pisos com tratamento acústico, alteração de lay-out sem a devida atenção no impacto que irão gerar, também são os principais vilões deste problema, e muito pouco é dito neste sentido, apesar que na maioria dos manuais dos proprietários, o tema deve estar abordado, e esclarecer aos moradores, sobre a gestão de suas reformas, portanto, cuidado se você mesmo não contribui para que seu lar se torne um tormento.

Como já dissemos em nosso outro artigo sobre o tema RUÍDOS TEM SOLUÇÃO TÉCNICA DE ATENUAÇÃO ACÚSTICA, antes de comprar ou alugar o imóvel, conversar com outros moradores e verificar se há queixas recorrentes com relação ao barulho entre unidades vizinhas, ou contratar um perito pode determinar a qualidade do isolamento acústico do edifício.

 

 

 

 

Comentários do Facebook
Ronaldo Sá Oliveira
Sobre Ronaldo Sá Oliveira 243 Artigos
Diretor da RSO ASSESSORIA e PORTAL CONDOMINIO EM ORDEM CEO, especialista em normalização atuando em mais de uma centena de comissões técnicas nos últimos anos, dentre as quais ABNT NBR 14037 – norma de manuais de entrega; ABNT NBR 5674 – norma de gestão da manutenção; ABNT 16280 – norma de reforma (autor do texto base); ABNT NBR 15575 – norma de desempenho, ABNT NBR 16747 de inspeção predial etc. Prestador de assessoramento técnico, laudos, pareceres a condomínios e gestão de reformas. É assessor técnico de grandes entidades do setor imobiliário, construção e projetos, coordenador técnico de diversos manuais técnicos do setor e colunista de diversos canais voltados a construção e gestão de empreendimentos. whatsapp 11 99578-2550 ronaldo@rsoassessoria.com.br